Petição Pública

Petição Pública, ajude a salvar o Programa Espacial Brasileiro(PEB)



Se você é realmente brasileiro, ama seu país, acredita no PEB e na sua estratégica necessidade para o futuro de nossa sociedade, exerça a sua cidadania e junte-se a nós nessa luta de levarmos finalmente o Brasil a fazer parte desse fechadíssimo Clube Espacial dos países que dominam o ciclo completo de acesso ao espaço.

Clique na imagem acima para ajudar essa causa!

domingo, 16 de setembro de 2012

Boeing testa o protetor do paraquedas da nave espacial CTS-100

Foto do teste de liberação do escudo térmico
A Boeing completou recentemente um teste de separação do seu escudo térmico, que irá proteger os pára-quedas da nave espacial da empresa, CST-100, durante as futuras missões espaciais em órbita baixa da Terra. A separação do  escudo térmico  inicia a seqüência de abertura do pára-quedas com a finalidade de  fornecer um pouso seguro para a cápsula e seus tripulantes. O teste faz parte do trabalho da Boeing de um contrato firmado com a NASA. 

"Sem pára-quedas, a tripulação não iria sobreviver ao pouso. Precisamos freia-los a uma velocidade de aterrissagem segura", disse Mike Burghardt, diretor de Desenvolvimento da nave espacial,CST-100, da Boeing. "É fundamental ser capaz de  liberar o escudo térmico para a frente e no tempo certo, para que possamos abrir os pára-quedas."

O teste do escudo térmico ocorreu na sede da Bigelow Aerospace, nos arredores de Las Vegas em 05 de junho, 7 e 11. Cercado pelo ar  seco o montanha, Burghardt e sua equipe colocaram uma série de câmeras de alta velocidade e de alta definição para capturar a ejeção do escudo, uma seqüência que começa com quatro pistões como propulsores atirando, quando a nave estiver entre uma altitude de 20.000 e 30.000 pés. Uma vez que o propulsores forem ativados, os quais são concebidos para empurrar o escudo para fora do caminho da sonda, permitindo assim, que o pára-quedas auxiliar abra para estabilizar o módulo da tripulação descendente, para em seguida os três pára-quedas principais abrirem.

Durante o teste, acelerômetros e medidores de pressão, mediram as forças e os choques que foram transmitidos durante a seqüência de abertura. A equipe também testou a capacidade de ejetar o escudo   térmico  para a frente se um dos propulsores  falhar. Os propulsores conectados ao escudo   térmico  para  utilizam  articulações "separatistas", que são projetados para falhar se um dos propulsores não disparar durante a reentrada.

O escudo é uma adaptação do que a Boeing utilizou ​​para suas cápsulas lunares Apollo e é semelhante ao projeto da nave espacial Orion da NASA, que vai ser enviada para missões de exploração humana ao espaço profundo.

Em março de 2011, a agência assinou contrato com a Boeing no valor de 92.3 milhões de dólares para o desenvolvimento do seu Transporte Espacial de tripulação (CST), que é reutilizável, a nave espacial em forma de cápsula projetada para transportar até sete pessoas, ou uma combinação de pessoas e carga para a órbita baixa da Terra. 

A Boeing também testou os tanques de propelente CST-100 do módulo de serviço em 2 de julho para se certificar de que eles podem lidar com as exigências extremas de um cenário de abortarem o lançamento. 

"Quanto mais cedo você pode fazer testes e mais testes você fizer mais rápido será o aprendizado", disse Burghardt. "Não há nada como a construção de algo e depois testá-lo para encontrar algo que você não  sabia sobre ou você não se lembrava."

A Boeing terá a oportunidade de realizar mais testes na nave CST-100 durante a fase de integração para o transporte espacial, que começou no início deste mês com três empresas norte-americanas que estão avançando nave espacial integrada e projetos de veículos de lançamento. A Boeing parceira com a United Launch Alliance espera integrar sua cápsula com um foguete Atlas V completando o seu sistema integrado de transporte comercial de tripulação.  A fase de integração irá definir o cenário para uma missão tripulada orbital que deverá ocorrer um voo de  demonstração em 2016, que irá marcar o  início das operações que conduzam à prestação de serviços de transporte comercial para a agência para enviar tripulações à Estação Espacial Internacional.

Nave CTS-100


















Fonte : NASA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário